Erros na decoração Erros na decoração

Descubra os 6 maiores erros na decoração e como evitá-los

6 minutos para ler

Ninguém está livre de cometer erros na decoração. Cores que não combinam, peças que não se encaixam e exageros de todos os tipos comprometem o visual de qualquer casa. A boa notícia é que dá para evitá-los se você buscar boas dicas e referências, seja em blogs ou em redes sociais específicas.

Pensando nisso, trouxemos um conteúdo em forma de lista para orientar suas escolhas e evitar arrependimentos. O que está esperando para compor um ambiente aconchegante e de bom gosto? Fique conosco e descubra como passar longe destes 6 maiores erros!

1. Usar móveis incompatíveis

Quem nunca viu uma peça incrível na loja e levou para casa sem pensar duas vezes? Atitudes súbitas são comuns, mas podem trazer mais problemas do que você imagina. Isso vale tanto para os móveis quanto para os eletrodomésticos, que precisam estar adequados ao tamanho dos ambientes.

Um sofá enorme tira espaço importante da sala de estar, ao passo que uma mesa minúscula pode não ter utilidade na cozinha. Você não quer esse tipo de problema, certo? Para evitar incompatibilidades, procure tirar as medidas dos cômodos antes de ir às compras.

É com base no tamanho dos recintos que devemos escolher os móveis e suas devidas dimensões. Quando essas medidas estão em harmonia o resultado é impecável. Afinal, nada parece sobrar e você não fica com a impressão de que o ambiente está mais apertado que antes.

2. Ignorar as áreas de circulação

Esse descuido impacta a rotina de todos os moradores e também interfere no conforto das visitas. Imagine precisar fazer voltas e se espremer entre móveis toda vez que quiser chegar a um ponto específico da casa? Não dá, né? Por isso, é fundamental prever áreas de circulação adequadas em todos os cômodos.

Os principais corredores de passagem devem ter, no mínimo, 80 cm de largura para que uma pessoa transite com tranquilidade. Já a distância entre os móveis — sofá e mesinha de centro, por exemplo — deve ser de pelo menos 60 cm. Quanto maior o espaço entre elementos, melhor será a experiência do usuário.

A correta disposição dos móveis também é importante nesse processo. Se possível, comece posicionando as peças mais volumosas (estantes, guarda-roupas, racks). Criando essa base, você conseguirá identificar os melhores pontos para colocar peças menores sem prejudicar as áreas de circulação.

3. Misturar estilos decorativos

É claro que você pode manter uma cômoda retrô em um quarto minimalista ou incluir acessórios românticos em uma sala com tema industrial. Se as interferências são discretas e envolvem poucas peças, o visual pode ficar muito interessante e até contribuir para a personalização.

O problema surge quando você resolve unir muitas coisas diferentes no mesmo recinto. Nesses casos, fica difícil criar contrastes e muito menos identificar o item que se destaca em meio à composição. O resultado é a falta de harmonia, que dá a impressão de que tudo está fora do lugar.

Embora a mistura de estampas, formas e texturas esteja entre as tendências para 2019, vale maneirar nos detalhes para não cometer erros na decoração. Uma boa dica é escolher um tema principal para trabalhar nos ambientes e finalizar com apenas uma ou duas peças relacionadas a outro estilo.

4. Investir apenas na iluminação direta

Muitas pessoas cometem a falha de se limitar às tradicionais lâmpadas centralizadas no teto. Ainda que a claridade oferecida seja suficiente, não é uma solução que valoriza a decoração. Isso porque o ambiente fica com aspecto artificial, monótono, sem movimento.

Para contornar o problema você deve investir em diferentes luminárias e posicioná-las em pontos específicos da casa. Podem ser spots enfileirados no forro de gesso, cordões de luzes ao redor dos espelhos, abajures sobre prateleiras, mangueiras luminosas cobrindo rodapés, e muito mais.

A distribuição de pontos em áreas distintas criará jogos de luz, sombra e efeitos incríveis. Esse é o segredo para a obtenção de uma atmosfera acolhedora e aconchegante. Além do mais, saiba que tal efeito pode ser potencializado se você adotar luzes em tons quentes, como o amarelo.

5. Exagerar nos objetos decorativos

O consumismo não pode tomar conta no momento de decorar a casa. Sim, é difícil pensar nisso quando nos deparamos com inúmeras lojas de utilidades e artigos diferenciados. Porém, tenha em mente que o excesso de peças dentro dos cômodos só trará mais trabalho no momento de limpar e organizar.

Manter muitos acessórios próximos também gera um aspecto de desleixo, como se o local estivesse sempre bagunçado. Em uma casa ou apartamento pequeno esse defeito fica em evidência, já que pouco do espaço existente tende a ser ocupado com quinquilharias.

Portanto, se você quer passar uma imagem agradável e interessante, deve selecionar os objetos com carinho. Escolha peças conceituais, que tenham relação umas com as outras e com o perfil dos moradores. Itens relacionados à família (fotografias, livros, coleções) são ótimas opções para deixar a casa com a cara dos donos.

6. Descuidar dos acabamentos

A decoração também deve ser um momento de conferir se os pisos, paredes, móveis e demais elementos estão com o acabamento em dia. Afinal, não adianta propor um projeto incrível se parte das superfícies apresentam desgaste, desbotamento, sinais de rasgos e outros danos.

Se for necessário, realize pequenas reformas antes de adicionar novas peças e acessórios na casa. Troque um papel de parede amassado, substitua uma cerâmica quebrada e cubra possíveis buracos presentes nas paredes. Um estofado antigo também pode ser reparado com um novo tecido, por exemplo.

Todos esses processos já darão uma renovada na aparência geral do lar e podem evitar retrabalho após a decoração. Para finalizar, faça uma limpeza e coloque tudo no devido lugar antes de partir para as próximas mudanças.

Gostou de refletir sobre os pontos abordados? Agora você tem um pequeno manual para consultar no dia a dia e evitar erros na decoração. Pense que, com os devidos cuidados, tudo pode ser adaptado a seu gosto, preferências e necessidades para a montagem de espaços exclusivos.

Agora, o que acha de dividir essas informações com seus contatos? Compartilhe o conteúdo em suas redes sociais e ajude outras pessoas!

Posts relacionados

Deixe uma resposta