Marie Kondo Marie Kondo

Método Marie Kondo: aprenda agora a manter sua casa organizada

7 minutos para ler

Já imaginou se houvesse uma maneira de deixar cada espaço da residência sempre bonito e arrumado? Pois saiba que esse objetivo pode ficar mais palpável com a adoção do método Marie Kondo.

Quem é viciado em Netflix ou acompanha as principais tendências do mundo da decoração já deve ter ouvido falar do assunto. Afinal, ele foi transformado em série e reflete o trabalho de uma consultora japonesa que ficou famosa após publicar um livro intitulado “A Mágica da Arrumação”.

Em sua obra, Marie Kondo apresenta dicas úteis para quem deseja organizar a casa e manter um estilo de vida mais equilibrado. Parte do sucesso da publicação está no fato de a autora prometer resultados com apenas uma aplicação do método.

Tem curiosidade em saber mais sobre essa proposta e descobrir como você também pode aproveitá-la? Fique conosco e acompanhe o passo a passo!

O que é o método Marie Kondo?

Como ficou claro na introdução, essa técnica foi desenvolvida para auxiliar pessoas na arrumação de diversos ambientes. Isso significa que serve tanto para as áreas íntimas quanto para os cômodos sociais da casa.

Para reunir as dicas e torná-las relevantes, Marie Kondo precisou se profissionalizar e conquistar o título de especialista em organização. Cabe destacar que o gosto pelos detalhes surgiu quando ela ainda era criança — com apenas 5 anos, a arrumação de prateleiras já era uma de suas atividades favoritas.

Unindo a paixão pelo que fazia, muito estudo e ganho de experiência, Marie Kondo pôde elaborar um método único e inovador. Ao conhecer seus princípios, você verá que ele vai muito além de renovar a casa, já que também promove mudanças na forma como as pessoas vivem e se relacionam.

Onde ele pode ser aplicado?

Contrariando a maioria das táticas voltadas para a arrumação, o método Marie Kondo não foca os tipos de ambientes. Isso significa que ele não prioriza determinados cômodos em detrimento de outros, afinal, considera que todas as partes da residência são importantes.

Assim, em vez de propor ideias para organizar um local específico, como a cozinha ou o quarto, a autora sugere que você pense em categorias de objetos que costumam estar presentes em todos os recintos. Roupas, papéis, itens de decoração, livros e artigos com valor sentimental são bons exemplos.

O objetivo com essa categorização das coisas é eliminar os excessos em qualquer ambiente, seja um pequeno lavabo, seja um home office repleto de materiais. Inclusive, trabalhar dessa forma é uma excelente estratégia para evitar a temida perda de motivação ao longo do processo.

Como colocar em prática?

O método Marie Kondo pode ser aplicado em diferentes etapas e deve sempre levar em conta a realidade de cada família. Nos próximos tópicos, listamos algumas das práticas abordadas pela autora para que você também comemore os benefícios de ter um lar organizado.

Comece com um objetivo

De acordo com a especialista, a organização deve funcionar como um instrumento para o alcance de algo maior: a adoção de um estilo de vida que permita viver tranquilamente, valorizando o que importa e deixando pequenas preocupações de lado.

Para Marie Kondo, arrumar a casa é uma excelente oportunidade para conhecer a si mesmo, identificar necessidades e levantar prioridades. A proposta inicial, portanto, consiste em definir objetivos que possam tornar o processo de organizar mais estimulante.

Uma boa dica é refletir sobre as vantagens que você terá ao encontrar um lar sempre em ordem e com as coisas no devido lugar. Caso valorize uma atmosfera clean e agradável, por exemplo, trabalhe para que essa sensação seja obtida após o processo.

Reserve tempo suficiente

Marie Kondo busca combater a típica percepção de que faxina e organização são tarefas chatas e rotineiras. Para isso, ela propõe que o leitor reserve um momento calmo e apropriado para começar a mudança. O objetivo é fazer com que alguns sentimentos, como estresse e ansiedade, sejam evitados ao máximo.

Você precisa lembrar que o processo de organizar é o caminho para uma rotina mais leve, portanto, tente associar essa tarefa a algo positivo. Ao mesmo tempo, a autora recomenda que tal atividade seja realizada de uma vez só — preferencialmente, em um único dia para evitar a preguiça e a procrastinação.

Crie categorias de objetos

Já falamos que pensar em objetos é melhor que focar os tipos de ambientes. Afinal, o método Marie Kondo tem como base a análise de diversos recursos para definir o que compensa ser guardado e o que não tem mais importância no dia a dia das pessoas.

Assim, o próximo passo é escolher uma categoria de coisas para fazer uma filtragem geral. Por exemplo, ao observar a papelada que mantém em casa, você poderá se deparar com itens que envolvem desde cópias de documentos pessoais até contas quitadas (de água, de luz etc.).

Nesse caso, selecione apenas os papéis que têm alguma utilidade e descarte o restante. Não pense duas vezes e seja firme em suas decisões. Faça isso com diferentes categorias de objetos e você começará a ver cada espaço se transformando.

Descarte o que não traz felicidade

Poucas são as pessoas que podem se orgulhar de nunca ter acumulado produtos sem utilidade. Isso ocorre porque nossa sociedade tende a incentivar o consumo exagerado de vestimentas, acessórios, aparelhos e outros artigos.

Para ir contra esse hábito, Marie Kondo propõe que as pessoas passem a questionar se cada item traz algum nível de felicidade — fotografias antigas, cartas, revistas velhas e roupas pouco usadas são bons exemplos. Em caso de resposta negativa, o ideal é se desfazer do recurso o quanto antes.

Essa é uma das etapas mais difíceis do método, já que demanda força de vontade para combater o sentimento de apego. No fim, porém, todo o esforço vale a pena para reduzir a bagunça, otimizar a rotina e evidenciar o melhor da decoração do ambiente.

Mantenha as coisas visíveis

Após ter o trabalho de separar os itens em categorias, a recomendação é que você encontre a melhor forma de armazenar esses pertences. Para Marie Kondo, expor o máximo de coisas representa uma ótima solução por facilitar e agilizar a identificação dos objetos.

Ao colocar livros lado a lado em prateleiras, por exemplo, você consegue aproveitar cada centímetro da superfície e visualizar os títulos nas capas. Por outro lado, providenciar um cabide para cada camisa do guarda-roupa ajuda a manter todos os modelos à vista.

Peças menores podem ser acomodadas em caixas organizadoras ou em compartimentos que dividem gavetas. Isso vale para joias, roupas íntimas, brinquedos, potes de temperos e muito mais. O objetivo é evitar sobreposições para que nada fique escondido ou esquecido.

Guarde tudo após o uso

A autora é enfática ao recomendar que cada item volte para o seu lugar logo após o uso. Ao criar o hábito de guardar as coisas rapidamente, você evita o acúmulo de objetos pelos cômodos, prolongando a aparência de ambiente arrumado.

A prática também evita esquecimentos e possíveis perdas de pertences, o que significa menos tempo gasto para procurar o que você precisa no dia a dia. O resultado disso? Uma casa mais funcional para viver uma rotina livre de frustrações.

E então, o que achou das orientações para transformar o lar e valorizar o que é essencial? Aproveite as nossas dicas para aplicar os princípios do método Marie Kondo em diferentes áreas da sua casa. Esse é um passo certeiro para ter ambientes atrativos e que gerem bem-estar todos os dias.

Este post foi útil? Agora, caso queira obter avisos sobre as próximas publicações do blog, assine a nossa newsletter!

Posts relacionados

Deixe uma resposta